Policial civil, natural de Cerro Corá/RN, mata namorada e se suicida dentro da Secretaria de Educação do DF

Os dois se relacionaram por pouco tempo, entretanto, ele não aceitou o fim do namoro

864

O Policial civil Sérgio Murilo dos Santos, de 58 anos entrou no prédio da 2ª Secretaria de Educação do Distrito Federal, e ao chegar no 3° andar do edifício, matou servidora Débora Teresa Correia, de 43 anos, com quem teve um relacionamento, em seguida tirou a própria vida. Todas as atividades foram suspensas.

Após entrar no prédio policial civil começou a discutir com a servidora, em um dado momento ele puxou a arma e deu um tiro no peito da servidora, em seguida, se matou com tiro na boca.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Laércio Rosseto, os dois tinham um relacionamento, porém, não eram casados e já havia o registro de duas ocorrências contra Sérgio por agressão e ameaça, onde resultou em uma medida protetiva.

Uma amiga da vítima contou que, o relacionamento dos dois não foi longo, eles não moravam juntos, sendo que, assim que ela decidiu terminar o relacionamento Sérgio não aceitou ele terminar. Um certo dia ele passou umas 3 horas com ela dentro do carro fazendo ameaças e agredindo – a. Ela fez uma denúncia a polícia, e desde então, ela tinha uma medida protetiva contra ele. Eles não se relacionavam a algum tempo.

A primeira denúncia foi feita em 2017. “Ela se mudou de Sobradinho, onde ela morava, também quando alugou um novo local não colocou nada no nome dela, mudou de celular. Ele rastreou por onde ela trabalhava”, explicou amiga. Ao descobrir por onde ela trabalhava, ele foi atrás dela e cometeu o crime.

Sérgio Murilo era natural de Cerro Corá/RN e a anos residia em Brasília/DF. Era conhecido entre os amigos por Nego Sérgio, já então era tido como um cidadão de bem, sem antecedentes criminais que o comprometessem sua conduta.

Nota de Pesar

“A Secretaria de Estado de Educação do DF lamenta profundamente a morte da servidora Débora Tereza Correia, da Subsecretaria de Gestão de Pessoas, que foi assassinada nesta manhã de segunda-feira, dia 20, nas dependências da unidade da 51 Norte. Débora atuava na Rede Pública de Ensino desde 200. Nesse momento de dor, a SEEDFsolidariza com a família, os amigos e os colegas da servidora. A pasta está à disposição para contribuir na investigação do caso.

Rafael parente
Secretário de Educação do DF

Por Caicó na Rota da Notícia. Fonte: Jornal de Brasília