‘Áudio’ de acusações e ‘Nota Pública’ de defesa sobre polêmica do Forró do Manhoso

1974

Vários são os depoimentos sobre o tremendo sucesso da 15ª Edição do Forró do Manhoso quanto a qualidade do evento que contagiou a todos que compareceram e que foi até o amanhecer do dia aonde aconteceu o tradicional ‘café da manhã’ que é realizado todos os anos.

Contudo, uma mídia que circula nas redes sociais vem gerando bastante polêmica. O áudio é sobre a revolta de um cidadão caicoense de nome ITAMAR que diz que foi contratado por outro de nome VICENTE para ir trabalhar na Festa do Forró do Manhoso.

Segundo ele, os dois foram expulsos da festa e impedidos de vender até mesmo fora dela, ele alega que seu amigo de nome VICENTE disse ter tido autorização antes da campanha eleitoral, a cerca de 30 dias atrás, aonde o empresário e vice prefeito eleito MARCOS teria dado o concentimento para que ele vendesse na festa, o que não foi confirmado através de um telefonema feito do local antes de iniciar o evento.

Diante da polêmica o denunciante, bastante revoltado, fez acusações através do áudio vinculado nas redes sociais – WhatsApp – o que fez com que o empresário emitisse uma nota pública sobre o assunto explicando sua versão dos fatos e informando que sua assessoria jurídica irá tomar as providências necessárias a respeito das acusações.

Segue ÁUDIO com as acusações e a NOTA PÚBLICA expedida pelo vice-prefeito eleito em Caicó à imprensa .

NOTA PÚBLICA

O empresário Marcos José de Araújo, um dos organizadores do Forró do Manhoso, vem a público repudiar as declarações injuriosas e difamatórias do senhor Itamar, em áudio compartilhado na rede social WhatsApp no último domingo (13/11), onde dispara agressões aos organizadores do evento das mais variadas formas.

Sobre o ocorrido, cumpre-nos aqui esclarecer que o tradicional Forró do Manhoso, atualmente em sua 15ª edição, constitui-se de um evento festivo privado, com fins lucrativos, no qual todos os espaços destinados à comercialização de produtos e serviços são cedidos onerosamente e com exclusividade. Há alguns anos, a área de alimentação e bebidas do evento, tanto interna quanto externamente, vem sendo exploradas exatamente pelos mesmos parceiros, não tendo havido nenhuma promessa ou abertura de negociação com qualquer outro interessado.

Por tal razão, educadamente, os responsáveis comunicaram ao senhor Vicente, citado no áudio, que não poderia ser autorizada a realização de sua atividade comercial naquele momento, sobretudo em respeito àqueles que contrataram a exploração daquele espaço.

Em contrapartida, salientamos que anualmente é promovida também a Festa do Trabalhador Seridoense, igualmente no Sítio Manhoso, totalmente beneficente, na qual os alimentos arrecadados são destinados às instituições de caridade locais e onde qualquer ambulante pode vender livremente suas mercadorias, inclusive o senhor Vicente tem participado normalmente deste evento nos últimos anos.

Lamentamos muito que nos dias atuais ainda tenhamos que nos deparar com tais atitudes desrespeitosas nas redes sociais.

O autor das agressões mistura indevidamente as atividades políticas, pessoais e profissionais de um cidadão honesto e cumpridor dos seus deveres, cuja correção de vida e a vontade de fazer mais pelo seu povo, acabou o fazendo sair dos limites impostos pela atividade privada e alçar o serviço público.

É justamente por não poder com suas atividades empresariais atender aos anseios de tantos trabalhadores como Vicente, que agora buscamos, por meio do Poder Público, dar uma melhor perspectiva e igualdade de oportunidade aos cidadãos caicoenses.

Sendo o que havia para o momento, agradecemos o espaço dado para os esclarecimentos e comunicamos que a partir de então a situação será conduzida por nossa assessoria jurídica.

Atenciosamente,

Marcos José de Araújo