CRUZEX 2018

Segundo a Força Aérea Brasileira o “estrondo” que virou assunto na manhã de hoje nas redes sociais, realmente fazia parte da operação Cruzex 2018, eram caças supersônicos que estavam fazendo manobras em velocidades supersônicas e em “baixa” altitude na região de Caicó – RN.

Segundo comentários em algumas redes sociais, o “estrondo supersônico” deu para ser ouvido de cidades como Ouro Branco – RN, Jardim do Seridó  RN, Carnaúba dos Dantas – RN, São José do Sabugi – PB e Santana do Seridó RN.

Veja a nota:

A Direção do Exercício Cruzeiro do Sul (CRUZEX 2018), em nome da Força Aérea Brasileira, informa que nesta sexta-feira (23/11), por volta das 10h45, aeronaves participantes em missões de treinamento romperam a velocidade do som, na região de Caicó (RN).

As aeronaves estavam a cerca de cinco km de altura, cumprindo todos os procedimentos de segurança previstos para essa manobra de treinamento, não havendo qualquer risco para a população local.

Conforme amplamente divulgado para a população do Rio Grande do Norte, incluindo o município de Caicó e os arredores, o exercício Cruzeiro do Sul é um exercício multinacional, envolvendo Forças Aéreas estrangeiras, que busca fomentar o treinamento das tripulações dos países envolvidos, com foco especial, na segurança dos voos e da população local.

Algumas aeronaves estrangeiras que estão participando da Cruzex 2018 conseguem fazer voos supersônicos, a exemplo disso os jatos  F-16 do Chile e dos EUA e os Mirage 2000 do Peru.

Um avião supersônico é capaz de alcançar velocidades maiores que a do som, ou seja mais de 1234,8 Km/h (Mach 1). O F-16, por exemplo, é um caça que consegue alcançar 2 vezes a velocidade do som – Mach 2.05 (2,175 km/h). Quando essas aeronaves atingem a velocidade do som, é o que chamamos de quebrar a barreira do som, e causa um estrondo (estrondo sônico) som associado às ondas de choque criadas por um objeto viajando através do ar com uma velocidade maior que a do som.

Estrondos sônicos geram uma enorme quantidade de energia sonora, soando muito similares a uma explosão. Hoje, quando esses caças atingiram a velocidade de som, estavam bastante baixos, e o som chegou até a “abalar” o chão.

Por Sertão em Destaque via Caicó na Rota da Notícia

Matéria complementar sobre a CRUZEX 2018: Veja AQUI